PUBLICIDADE

PUBLICIDADE











Saúde / #Ginecomastia

Ginecomastia: entenda como afeta a autoestima

Dos 15 aos 17 anos, manifestação tem ligação com os hormônios da puberdade

Publicado 8 de Agosto de 2016 às 08:27 pelo colunista REDAÇÃO ALTOS NOTÍCIA.

Quando uma condição de saúde se torna um problema estético, o impacto na autoestima é grande. É o caso da ginecomastia, caracterizada pelo crescimento das glândulas mamárias em homens. As causas para esse tipo de manifestação variam entre origens hereditárias, alterações hormonais e uso de substâncias como anabolizantes.

O grande problema é que ela costuma se manifestar na adolescência: até 60% dos casos ocorrem na puberdade, uma fase em que as inseguranças já são frequentes entre os jovens. A parte positiva é que, em 80% das ocorrências, há uma regressão espontânea das mamas até os 18 anos. Caso isso não ocorra, há outras alternativas.

FATORES À PATOLOGIA

GRAU 1 – AUMENTO DISCRETO

Ocorre apenas um aumento discreto da glândula mamária. Geralmente, só é perceptível uma saliência da aréola.

GRAU 2ª – AUMENTO MODERADO

Há um aumento moderado da glândula mamária, mas sem excesso de pele.

GRAU 2B – EXCESSO DE PELE

Neste caso, há um aumento moderado de glândula mamária e excesso de pele.

GRAU 3 – ASPECTO DE MAMA FEMININA

Nota-se um aumento significativo da glândula mamária, com grande excesso de pele. O aspecto é de uma mama feminina.

TRATAMENTOS

O tratamento da ginecomastia depende muito do grau em que ela se apresenta. Por isso, é fundamental contar com um diagnóstico assertivo. Ele poderá ser feito clinicamente e com auxílio de ultrassom.

Nos casos mais agravados de ginecomastia, em que não há possibilidade do quadro se reverter sem intervenções, o cirurgião plástico poderá indicar alguns procedimentos. A lipoaspiração é uma alternativa para reduzir a glândula mamária. Quando há pele em excesso, também pode ser feita uma incisão em torno da aréola para retirar o tecido.

O procedimento pode ser realizado com anestesia local e sedação ou anestesia geral: tudo depende da vontade do paciente e da dimensão da cirurgia a ser realizada. O procedimento leva cerca de uma hora e o pós-operatório não é muito desconfortável, mas exige alguns cuidados, como usar malha elástica por 15 dias e fazer sessões de drenagem linfática.

Editado 8 de Agosto de 2016 às 08:27 por REDAÇÃO ALTOS NOTÍCIA.

Conheça o autor deste artigos

REDAÇÃO ALTOS NOTÍCIA

EQUIPE DE REDAÇÃO ALTOS NOTÍCIA


PUBLICIDADE










Notícias Relacionadas

Como prevenir e remediar lesões no joelho

Saia agora do sedentarismo

Meninos começam a ser vacinados contra HPV