PUBLICIDADE

PUBLICIDADE













Policial / #lamentável

Morte de Travestir em Parnaíba ainda é mistério

VÍTIMA estava marcando ponto, quando foi executada; Polícia não achou pistas do autor

Publicado 20 de Junho de 2016 às 09:23 pelo colunista REDAÇÃO ALTOS NOTÍCIA.

O assassinato travesti Joales dos Santos, 23 anos, mais conhecido como “Michelle”, que residia no bairro Ceará, em Parnaíba e foi assassinado com um tiro de arma de fogo de calibre desconhecido na altura do peito esquerdo, caiu no esquecimento.

A vítima que era natural da localidade Brejinho, em Luis Correia e fazia “ponto” nas imediações da distribuidora Tropigás. 

A Polícia Militar fez o levantamento da ocorrência, mas não tem pista do autor do crime.


ENTENDA O CASO
O fato aconteceu em frente ao motel Deslize, nas proximidades do Aero Bar, por trás do depósito da Tropigás, na rua Merval Neres, bairro Rodoviária.

De acordo com a polícia, Joales marcava ponto naquelas imediações e chegou um cliente em um automóvel, provavelmente para marcar um programa, momento em que houve um atrito, onde um tiro foi disparado de dentro do automóvel, acertando o transformista, que na ocasião, encontrava-se encostado na janela pelo lado de fora do veículo.

De acordo com o capitão Paulo José Carvalho, do 2º Batalhão da Polícia Militar de Parnaíba, quando a polícia chegou ao local do crime já encontro Michelly sem vida. Testemunhas que estava na boate relataram que ouviram dois disparos e ao sair viram apenas um carro preto saindo em alta velocidade.

“Foram dois disparos, mas um acertou o peito esquerdo da vítima e ela morreu ainda no local. Não há suspeitos ainda porque as testemunhas relataram ter visto apenas um carro saindo em alta velocidade e ninguém teve tempo para anotar a placa do veículo”, disse o capitão.

Editado 20 de Junho de 2016 às 09:23 por REDAÇÃO ALTOS NOTÍCIA.

Conheça o autor deste artigos

REDAÇÃO ALTOS NOTÍCIA

EQUIPE DE REDAÇÃO ALTOS NOTÍCIA


PUBLICIDADE











Notícias Relacionadas

Mulher é acusada de estrangular filho de 2 anos

Preso custa 10 vezes mais que alunos no PI

OAB: Criminosos tomam de conta dos presídios