PUBLICIDADE

PUBLICIDADE













Policial / #trágico

Entendo tudo sobre o trágico acidente em THE

Entenda o que é o Salve Rainha e a repercussão do acidente envolvendo membros

Publicado 28 de Junho de 2016 às 07:55 pelo colunista REDAÇÃO ALTOS NOTÍCIA.

Cercado de dor, revolta e sentimento de injustiça, o acidente de trânsito que chocou os teresinenses no final da noite deste domingo (26/06) também vem chamando a atenção do país nas redes sociais, principalmente no Twitter e Facebook. Enquanto a imprensa do Piauí está a postos para cobrir os detalhes do ocorrido, a população usa a internet para prestar suas condolências e, ao mesmo tempo, protestar contra as autoridades, que permitiram a liberdade do motorista embriagado causador do acidente por uma fiança no valor de R$ 7 mil.

Em um primeiro momento, destaca-se o fato das vítimas serem membros ativos do coletivo Salve Rainha. “Mas o que é Salve Rainha?”. Muitos se perguntaram.

Iniciado em 2015, o grupo, que foi fundado por uma das vítimas, Francisco das Chagas Junior, tem a intenção de ocupar espaços ociosos de Teresina e dar uma nova cara ao local, preservando aspectos do patrimônio cultural, artístico e histórico.

Membros do Salve Rainha sofreram acidente (Foto: Reprodução Twitter)

Membros do Salve Rainha sofreram acidente (Foto: Reprodução Twitter)

Onde o Salve Rainha está, há uma mistura de brechó, exposição e venda de antiguidades, valorização do cenário musical do Piauí, gastronomia, literatura, discussões acerca das bandeiras feministas, LGBTs, além de questões voltadas à representatividade negra. Uma mescla de cidadania, criatividade, alegria e vitalidade. Um espaço democrático que revitaliza vários pontos da capital.

“Aos domingos, Teresina se torna uma cidade meio que parada, então o Salve trouxe esse agito com a feira sobrenatural que traz desde gastronomia a exposição de arte sendo ela de diversos campos como fotografia, pintura, escultura, textos, o que valoriza bastante o trabalho dos artistas piauienses, sem falar nas atrações músicas regionais que se apresentavam, dando ampla visibilidade ao trabalho, já que o público era bem misto desde crianças a idosos”, relatou ao O Olho o estudante Felipe Dourado, frequentador e colaborador do Salve Rainha.

Coletivo ocupa espaços de Teresina (Foto: Reprodução Facebook)

Coletivo ocupa espaços de Teresina (Foto: Reprodução Facebook)

Em cada edição, o Salve Rainha tem um tema específico. Inicialmente, mostrou aspectos sobre as estações do ano. Primavera, verão, outono e inverno servem de enredo para uma grande festa nesses ambientes que antes não recebiam valor algum da população. Hoje não são mais uma ponte fria, um prédio abandonado ou uma praça inútil. Agora fazem parte, de fato, da cidade, da sociedade, dos teresinenses.

Para todas as faixas etárias (Foto: Reprodução Facebook)

Para todas as faixas etárias (Foto: Reprodução Facebook)

O movimento é composto por vários segmentos da sociedade. Dentre estes, destacam-se antropólogos, jornalistas, publicitários e artistas. O grupo ainda conseguiu recentemente o apoio da Prefeitura Municipal de Teresina, por meio da Superintendência de Desenvolvimento Urbano (SDU) e da Secretaria Municipal de Juventude (Semjuv).

Não seria dizer muito que tudo isso se deu graças ao empenho não só desses jovens, que tragicamente tiveram suas vidas marcadas por um irresponsável no trânsito, mas de todos aqueles que fazem parte de uma conexão que rompe os nossos padrões. Talvez a Ponte Juscelino Kubitschek, na Avenida Marechal Castelo Branco, a Praça Ocílio Lago, na zona leste, e o antigo prédio da Câmara Municipal diriam isso a respeito deste ganho inestimável para Teresina.

ÁLCOOL E DIREÇÃO

Que contradição! Um grande ganho para a cidade, mas, em tão pouco tempo, uma perda incalculável. Três rapazes, no auge das suas vidas, bruscamente foram vitimados pela violência que todo dia assola as ruas, avenidas e rodovias deste Brasil. Não se trata apenas de acidentes, mas de crimes, inclusive previsto como doloso, segundo o Código Penal. Pessoas alcoolizadas que dirigem, assumem o risco de matar.

Dados do Hospital de Urgência Teresina apontam que 38,5% dos acidentes fatais no trânsito da capital estão envolvidos com o álcool e direção. De acordo com os números, que já fazem parte do relatório do Projeto Vida no Trânsito, só no primeiro semestre de 2015, 80 pessoas vieram a óbito na cidade. O Movimento Maio Amarelo Atenção pela Vida destaca que o Brasil é o quinto país com o maior número de mortes no trânsito.

ASSUNTO REVERBERA

O que se percebe após a tragédia é que Teresina abriu os olhos para esses meninos. O fato se espalhou rapidamente pela internet. No Twitter, a hashtag Salve Rainha (#SalveRainha) já é a segunda mais comentada na rede social. Dificilmente o Piauí chega a ter tanto destaque na plataforma. O último feito parecido, isso com muito estímulo, foi durante o Twitaço #SOSUESPI, promovido por professores e estudantes da Universidade Estadual do Piauí (Uespi). Na época, alunos, técnicos e docentes estavam em greve na instituição.

Assunto do momento no Twitter (Foto: Reprodução Twitter)

Assunto do momento no Twitter (Foto: Reprodução Twitter)

TODOS INDIGNADOS

Mensagens como “Salve Bruno”, “Salve Junior” e “Salve Jader” ganham o Twitter. Internautas ficam indignados pelo fato dO causador do acidente, Moacir Junior, que estava visivelmente embriagado, ter sido liberado da delegacia após pagar fiança de pouco mais de R$ 7 mil. “Não aceito esse desgraçado ter sido solto com uma fiança de 7 mil reais #SalveRainha”, inconformou-se Paulo Ricardo em sua publicação.

Caso ganha o mundo (Foto: Reprodução Twitter)

Caso ganha o mundo (Foto: Reprodução Twitter)

Outra tecla bastante batida pela população, amigos próximos e familiares diz respeito à interpretação de que o ocorrido não foi um acidente, mas sim um ato criminoso. “Bebeu e avançou o sinal, assumiu duas vezes o risco de matar! Não foi acidente! Não foi! #NãoFoiAcidente #SalveRainha”, tentou esclarecer Paula Andreas.

Em postagens, pessoas se solidarizam com vítimas (Foto: Reprodução Twitter)

Em postagens, pessoas se solidarizam com vítimas (Foto: Reprodução Twitter)

Ganhando também o Facebook, os perfis do Bruno Queiroz, do Francisco das Chagas Junior e do Jader Damasceno receberem várias mensagens de apoio e lamentações. Pedidos de Justiça chefiaram os desejos dos entes mais próximos. O músico e escritor Thiago E, da banda Validuaté, em solidariedade às vítimas coloca-se com extrema revolta sobre o fato, esperando que o causador da tragédia seja punido.

“Gente, estou absolutamente triste e revoltado com essa notícia que o nosso superlativo Júnior e Jader, do Salve Rainha, estão em estado grave após um carro colidir com o deles. O subtenente Moisés falou que o motorista que bateu estava visivelmente embriagado! Um absurdo! Outro assassinato envolvendo álcool e direção. Estou torcendo muito para que nossos amigos saiam dessa. Vamos dar nossa força e vamos pressionar para que esse cara que causou tudo isso, inclusive a morte do Bruno, seja punido. Não foi acidente. Foi crime!”, pontuou o artista.

Personalidades teresinenses também prestam condolências (Foto: Reprodução Facebook)

Personalidades teresinenses também prestam condolências (Foto: Reprodução Facebook)

Outro comentário comovente foi o da professora do Departamento de Comunicação da Universidade Federal do Piauí (Ufpi), Jacqueline Lima Dourado Dourado, que inclusive já lecionou para Jader Damasceno no curso de Jornalismo da Ufpi.

“Hoje estou sob o impacto da morte de Bruno Queiroz e dos gravemente feridos Jader Damasceno e Francisco das Chagas Júnior. Uma morte. Dois feridos lutando pela vida. Um bêbado justificando o irredimível. Jader. O artista. O superlativo criativo. A profusão de cores. A inquietude. Júnior. Meu menino. Meu hidropônico. Meu abraço intenso. Meu olhar maroto, charmoso e sex”, disse Jaqueline, em um trecho da postagem.

Ex-professora também se posiciona (Foto: Reprodução Facebook)

Ex-professora de vítima também se posiciona (Foto: Reprodução Facebook)

JUNIOR4

AJUDA, GALERA!

Como se não bastasse o falecimento do Bruno Queiroz, os sobreviventes estão lutando para terem o mínimo de condições físicas e psicológicas para tocarem a vida, a partir de agora, da forma mais saudável possível. Pensando nisso, o coletivo Salve Rainha criou uma campanha para arrecadar dinheiro para custear necessidades básicas dos hospitalizados. Parte das verbas será destinada ao sepultamento da vítima fatal.

Informações sobre como fazer doações (Foto: Reprodução Facebook)

Informações sobre como fazer doações (Foto: Reprodução Facebook)

Até então, pelos boletins médicos lançados à imprensa pelo Hospital de Urgência Teresina (HUT), Francisco está em situação mais complicada, inclusive com o risco de vida. Seu quadro clínico corresponde à fratura de fêmur e tíbia direita, luxação do tornozelo direito, além de traumatismo craniano com hemorragia cerebral e lesão axonal difusa. Até o momento, não cirúrgico. Também foram apontadas fraturas múltiplas de face, chegou com midríase fixa bilateral, que é quando a pupila não reage mais a estímulos.

Jader, por outro lado, está com o quadro clínico estável. Inclusive já recebeu autorização do HUT para sua transferência de hospital, se a família assim desejar. A assessoria de comunicação do município especificou ao O Olho que o paciente tem plano de saúde e a família está à procura de uma vaga na rede privada para continuar com o seu tratamento.

ORAÇÕES EM FORMA DE PROTESTOS

Como forma de mostrar que as vítimas não estão sozinhas, amigos e familiares estão organizando um grande encontro para orações ao falecido e aos hospitalizados, nesta segunda-feira (27/06), no recém-inaugurado Parque Estação da Cidadania, no centro de Teresina. Lá, o coletivo adquiriu um estabelecimento para a venda de bebidas e lanches.

Fonte: O OLHO

Editado 28 de Junho de 2016 às 07:55 por REDAÇÃO ALTOS NOTÍCIA.

Conheça o autor deste artigos

REDAÇÃO ALTOS NOTÍCIA

EQUIPE DE REDAÇÃO ALTOS NOTÍCIA


PUBLICIDADE











Notícias Relacionadas

Mulher é acusada de estrangular filho de 2 anos

Preso custa 10 vezes mais que alunos no PI

OAB: Criminosos tomam de conta dos presídios