PUBLICIDADE

PUBLICIDADE











ALTOS / #saúde

2 anos: Mais de 400 crianças nasceram em Altos

Mais de 400 crianças já nasceram no Serviço de Obstetrícia de Altos

Publicado 7 de Dezembro de 2017 às 13:21 pelo colunista REDAÇÃO ALTOS NOTÍCIA.

Implantado há cerca de dois anos no município de Altos, a 40 km de Teresina, o setor obstétrico do Instituto de Saúde José Gil Barbosa já realizou  mais de 400 partos normais, atuando de acordo com os princípios estabelecidos pela Política Nacional de Humanização do Parto (PHPN).

A prefeita de Altos, Patrícia Leal, encara como exitosa a implantação do serviço obstétrico para toda a região, e entende que os esforços empregados já geram bons frutos.

“Com o apoio do deputado Assis Carvalho e do Governador Wellington Dias,  conseguimos ampliar o hospital com este serviço e garantir mais direitos às gestantes da região. A estruturação física e de pessoal do hospital de Altos, com aquisição de materiais e contratação de pessoal qualificado para a assistência ao parto normal, visando acolhimento da mulher e da criança, foram de extrema importância para o sucesso do serviço”, ressalta a prefeita.

De acordo com Andréa Amaral, diretora do hospital de Altos, acreditar no parto humanizado foi uma maneira de investir na autonomia do serviço, trazendo mais segurança, conforto e dignidade às mulheres da região.

“Conseguimos reduzir as estatísticas de intervenções cirúrgicas e encaminhamentos desnecessários. O trabalho é exitoso e vem representando um aumento considerável no que diz respeito aos atendimentos obstétricos realizados no município, e até mesmo no atendimento aos municípios vizinhos. O fato é que esse serviço tem se destacado pela qualidade e resolutividade, permitindo que hoje muitos altoenses possam nascer em seu município de modo seguro e mediante autonomia do hospital da cidade”, destaca a diretora.

Os serviços de obstetrícia do hospital de Altos são realizados por enfermeiras obstetras no âmbito de equipe multiprofissional. “É um trabalho que estimula o vínculo mãe-filho através de medidas preconizadas pelo Ministério da Saúde, garantindo direitos à parturiente e ao acompanhante, reduzindo complicações decorrentes”, acrescenta Andréa Amaral.

Fonte: Ascom

Editado 7 de Dezembro de 2017 às 13:21 por REDAÇÃO ALTOS NOTÍCIA.

Conheça o autor deste artigos

REDAÇÃO ALTOS NOTÍCIA

EQUIPE DE REDAÇÃO ALTOS NOTÍCIA


PUBLICIDADE










Notícias Relacionadas

Bandidos explodem agência do Bradesco, em Altos

Acidente deixa dois homens feridos, em Altos

Altos e 4 de Julho jogam nesta quarta(10)